Alguns anos passados, não me lembro bem a data, fui convidado para participar da festa de comemoração dos 100 anos do Pastor Fernando Leite da Igreja Batista Cidade Universitária, que é um dos homens de Deus que admiro muito. 100 Anos? Sim, essa foi uma maneira criativa de comemorar 50 anos de idade, 25 de casamento e 25 de ministério.

Nessa comemoração tinha aproximadamente 500 pessoas, pode ser que eu esteja errado, mas por ai, e o incrível é que foram convidadas apenas pessoas que tinham sido impactadas pela vida do Fernando de alguma maneira, ou seja pessoas em que ele tinha deixado sua marca de amor, generosidade, enfim…

Nesse dia depois de alguns depoimentos me bateu um misto de alegria por ver que ele é uma pessoa muito querida e admirada e profunda tristeza, pois percebi que minha vida estava sendo vivida de maneira vazia, e pior do que isso, apenas para minhas próprias necessidades.

Me lembro de ter perguntado a mim mesmo, se fizessem uma festa daquelas para mim, creio que nem minha mãe iria, tamanha falta de visão para com os outros, vivendo apenas para meu umbigo.

Sinto que a grande diferença estava em meu relacionamento com Deus, ou na verdade na falta desse relacionamento.

Ponto, noutra linha travessão, rsssss.

Nessa mesma fase conheci outros grandes homens de Deus, Pastor Jocymar Fonseca, Alex Fonseca e Pedro Almeida. Através das pregações e do testemunho de vida deles comecei a entrar numa outra atmosfera de relacionamento com Deus, passando a viver uma vida baseada na graça, na fé em um Deus que tudo pode, que me ama, mas que acima de tudo quer de mim que eu seja alguém que viva sob certos propósitos, éticos e corretos sob a luz da biblía.

Algum tempo depois estreitei meu relacionamento com eles e hoje sou pastoreado por uma família, a Família da Fé, (Jocymar, Alex, Pedro e outros amigos e homens de Deus) que é uma comunidade que quer ganhar as pessoas para Cristo, começando aqui por nossa cidade, mas que tem uma visão muito ampla e segura de onde quer chegar, muito longe.

Ao longo desse tempo aprendi que Deus espera que eu seja o terceiro! Terceiro? Como assim?
Num mundo onde as pessoas cada vez mais só pensam em sí, ser o terceiro parece uma loucura. Mas o propósito é esse, o amor de Deus é louco. O que dizer de alguém que dá o seu filho para morrer em seu lugar?

Então baseado na graça de Deus, eu sou o terceiro. Deus em primeiro lugar, minha esposa, família, amigos e meu próximo em segundo e eu em terceiro. A partir desse ponto de vista vemos que temos que nos doar para as pessoas, cuidar dos seus problemas e necessidades e fazendo isso deixamos que Deus cuide dos nossos problemas, e vamos falar sério, existe alguém melhor do que Ele para cuidar de nós?

Minha vida, da minha família e da minha empresa estão sob essa ótica e posso dizer que muitas coisas mudaram, e com isso o respeito e admiração que muitas vezes buscamos começaram a aparecer, conheci muita gente, pude me doar a muitas pessoas e posso dizer que é muito gostoso e gratificante servir as pessoas.

Hoje tenho um ministério que é o de ensinar minha arte e profissão a outras pessoas, e mostrar a elas que a fórmula do sucesso passa por excelência, competência, marketing, mas acima de tudo por colocar nossa vida nas mãos de Deus.

Sem esse último ingrediente as coisas ficam muito difíceis…

Uma frase que levo comigo: – Eu não preciso ser reconhecido por ninguém, a minha glória é que reconheçam a Ti e que diminua eu, para que Deus cresça em mim, mais e mais.

Nesse últimos meses tenho viajado algumas cidades brasileiras com o workshop “A fotografia ganhou movimento” em parceria com a Merlin Vídeo, e tenho vivido experiências incríveis de como é bacana ser o terceiro. Venho passando meus conhecimentos e experiências aos alunos e amigos e deixado essa mensagem que pode mudar o rumo de nossas vidas. Seja o terceiro e creia que tudo é possível a todo aquele que crê em Deus.

Tem um filme que passo em todos os meus Workshops que retrata um pouco como devemos agir em nossos relacionamentos.

Como digo as pessoas que tenho tido o prazer de ensinar e aprender, quero ser o cara que doa a moeda de prata e não o cara que esconde as botas do próximo. Assista ao filme abaixo e você vai entender o que estou dizendo.

Além de tudo isso tenho uma equipe que me dá todo o suporte e uma mulher incrível que é a Mauriane. Deus sabe o quanto admiro e amo minha mulher, por tudo que ela tem sido e feito por mim.

Obrigado a todos que me desejaram um feliz aniversário, foram tantas pessoas por telefone, face, mensagem, email que fica difícil até responder, mas quero deixar aqui meu apreço por todos.

Um grande abraço.

Riguetti

Um par de sapatos velhos. Eu sou o terceiro. from Riguetti Fotografia e Cinema on Vimeo.